Aprex Webmail e U ) *
Joinville - Terça-feira, 18 de Junho de 2019 - Santa Catarina


Newsletter
Para receber a Newsletter da Vidaverde, preencha o formulário abaixo.
Nome:
Profissão:
E-mail:
Desejo receber
newsletter
Desejo cancelar
recebimento das
newsletters

Mata é defesa contra cheias
04/06/2005 - As matas ciliares garantem a qualidade da água e reduzem os riscos de enchentes. Elas controlam os fluxos de precipitações que escoam dos relevos mais altos, retendo grande quantidade da água e liberando lentamente para o rio, reduzindo a possibilidade de enchentes. A vegetação é uma defesa contra as cheias. Entre as vantagens da recomposição da mata ciliar, Nilsa Gramkow também destaca a proteção das margens contra a erosão, a maior retenção da água no solo, redução das perdas por evaporação, e a potencialização dos ecossistemas, que passam a funcionar como corredores ecológicos.
O rio do Braço é um dos afluentes do rio Cubatão, que é responsável por 70% do abastecimento de água de Joinville. A extensão do rio, que nasce no distrito de Pirabeiraba, é de aproximadamente 14 quilômetros. Tem funções socioeconômicas, ambientais e ecológicas para o município. Está localizado no baixo curso do rio Cubatão, área de captação agrícola, industrial e de serviços. Até o final da década de 70, o rio do Braço tinha águas cristalinas. A partir dos anos 90, devido a um conjunto de ações, o rio passou a depender das águas das chuvas para continuar existindo.
Entre os fatores que contribuíram para a destruição do rio do Braço, conforme os ambientalistas, estão a urbanização acelerada da região nos últimos anos, através de ocupação por invasões de novos loteamentos sem infra-estrutura; a contaminação do rio Mississipi - principal afluente do rio do Braço - com o Aterro Sanitário; a poluição química; a falta de saneamento básico; o canal de retificação do rio do Braço transformando em canal de esgoto que ficou com grande parte do volume de água do leito original; a mineração; a expansão industrial; e o desmatamento contínuo.
O projeto de revitalização do rio do Braço teve início no ano de 2000, justamente quando uma estiagem deixou o rio totalmente seco, provocando transtornos à comunidade local. O trabalho tornou-se o primeiro projeto de revitalização de rio de Santa Catarina a receber licença ambiental da Fatma. Além de receber o Prêmio Gaia de Ecologia 2003, concedido pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente de Joinville. (MB)