Aprex Webmail e U ) *
Joinville - Segunda-feira, 17 de Junho de 2019 - Santa Catarina


Newsletter
Para receber a Newsletter da Vidaverde, preencha o formulário abaixo.
Nome:
Profissão:
E-mail:
Desejo receber
newsletter
Desejo cancelar
recebimento das
newsletters

Sustentabilidade
20/09/2005 - Sabe-se que desde a colonização européia a região Sul vem passando por usos de seus recursos naturais que podem ser caracterizados como insustentáveis. Entre eles estão as técnicas agropecuárias que exaurem os solos e biomas; minerações que causam degradação do meio ambiente e geram passivos de grandes proporções; práticas de pescas marinhas e lagunares que não respeitam os limites naturais de reprodução dos estoques pesqueiros; carência de informação e escassez de infra-estrutura científica, tecnológica e de informação nos processos produtivos; a sobreposição dos interesses econômicos à conservação ambiental na busca incessante de lucro em curto prazo; ocupação desordenada do solo; falta de saneamento básico que atenda a toda população.

Em todos os aspectos das práticas antrópicas listadas acima, estão presentes as tecnologias que foram adaptadas erroneamente, ou ainda que foram geradas com orientação para economias pouco democráticas e de acumulação de valores oriundos de usos dos recursos naturais que vêm contribuindo de maneira crescente para o agravamento dos problemas ambientais e geração de efeitos imprevisíveis ao meio ambiente.

É importante ressaltar que parte desses recursos é não renovável e parte perde sua capacidade de renovação pelo mau uso. Vemos os ecossistemas mais robustos e capazes de gerar riquezas sendo exaustivamente utilizados para fins econômicos, tais como as terras férteis do Paraná, a região hidrográfica do Guaíba no Rio Grande do Sul, bem como a substituição da mata atlântica em Santa Catarina pelas florestas monoespecíficas da indústria de celulose, pastagens, atividades mineradoras, produção de energia e outras culturas, com evidentes e anunciados impactos que podem danificar permanentemente a integridade dos ecossistemas.

A ciência e a tecnologia, que têm por objetivo a busca pela otimização dos processos de produção e a melhoria da qualidade de vida, muitas vezes desconsideram os efeitos nocivos sobre o meio ambiente. Quando preconizaram o uso dos rios como destinação de dejetos suínos e trouxeram os pinheiros exóticos, comprometeram-se com desafios de gerar os conhecimentos que deverão orientar a integração do homem com a natureza pelo trabalho e pela produção limpa.
Um dos maiores desafios da ciência e da tecnologia é a gestão sustentável dos recursos naturais. A gestão sustentável é um processo contínuo ainda em desenvolvimento, que deve atender às necessidades do presente, sem comprometer o direito de utilização dos recursos naturais pelas gerações futuras.

A sustentabilidade deve estar afinada com a aplicação de novas práticas de gestão democrática mediante políticas públicas que envolvam parcerias entre órgãos de governo, a sociedade civil e o setor privado.
Sob esse prisma, a missão das instituições que integram os diferentes setores é incentivar e promover programas e projetos que estejam em consonância com o desenvolvimento científico e tecnológico e que levem em consideração todas as instituições do interior, dando ênfase às demandas da população, respeitando a vocação de cada região e respondendo às questões de uma sociedade complexa, difusa e multicultural.

Rogério Portanova, presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de SC (Fapesc) e diretor regional Sul do Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti)


Fonte: A Notícia - Opinião